Dor na face

A principal causa de busca por atendimento médico e odontológico é dor.

A dor é complexa. Componentes físicos, emocionais e sensoriais tornam a dor uma experiência individual que impacta na vida pessoal, profissional, sono e humor de quem sofre de dores crônicas.

A Dor Orofacial, onde se enquadra as DTM, compreende uma grande área de estudo na qual se torna fundamental estabelecer a distinção entre as múltiplas condições e doenças que trazem como sintoma a dor na região facial.

Sentir dor para atividades básicas como para abrir a boca, comer ou falar impacta diretamente na qualidade vida, relacionamentos e cognição. É papel do especialista em Dor Orofacial o diagnóstico destas condições.

Crianças podem ter DTM?

Hábitos como roer unhas ou mascar chicletes são muito comuns entre as crianças e são práticas danosas para a ATM e os músculos. Pais e cuidadores devem observar os seguintes sinais indicativos de alguma manifestação de DTM:

 -Estalos nas ATM durante o movimento da mandíbula;

 -Desconforto ao abrir ou  fechar a boca;⠀

 -Dor de cabeça;

 -Dor nas bochechas e região da orelha;

 -Cansaço durante a mastigação;

Identificados esses sinais e sintomas uma avaliação deve ser direcionada as crianças, considerando suas particularidades.

As crianças têm dificuldade de reportar o a localização e como a dor se apresenta (pressão, pulsátil ou queimação)..  O tratamento em pacientes pediátricos, assim como dos adultos, também passa pela identificação de fatores de risco associados.

As crianças são mais suscetíveis a traumas na face e apresentam alta prevalência de Bruxismo do Sono. Fatores de risco relacionados a questões comportamentais, de saúde geral e hereditárias também devem ser investigadas.  

Bruxismo Infantil

O Bruxismo do sono nas crianças é muito comum, mas isso não significa que ele seja normal. Barulhos de ranger de dentes frequentes (mais de 3 vezes por semana) precisam ser investigados já que trazem impacto na qualidade do sono (da criança e dos familiares), causam desgastes dentários e as vezes fadiga muscular ou dores de cabeça. Identificar se o bruxismo é primário (ou seja, ele é o problema em si) ou se é secundário (manifestação de outras condições que prejudicam o sono e favorecem o aparecimento do Bruxismo) é o primeiro passo para estabelecer uma terapia. Os principais fatores associados ao bruxismo do sono na infância que deve ser descartados são: problemas respiratórios; refluxo gastroesofágico; aspectos psicoemocionais e alguns hábitos.

Neuralgia do Trigêmeo

A Neuralgia do trigêmeo é uma dor neuropática, de forte intensidade, que costuma atingir um dos lados da face. É comumente descrita como um choque ou uma queimação, é rápida, dura alguns segundos e desaparece. Mas logo retorna, geralmente com grande intensidade e em intervalos de tempo variáveis.
Essas dores são provocadas por estímulos não dolorosos como lavar o rosto, tocar levemente a face, como para maquiar-se ou barbear-se, falar e escovar os dentes – podendo, inclusive, ocorrer espontaneamente sem nenhum estímulo. ⠀

A causa ainda não é completamente conhecida, sendo mais frequente em pessoas de meia-idade e idosos. Tumores benignos ou artérias calibrosas podem comprimir o nervo o trigêmeo e ocasionar a neuralgia que, neste caso, é secundária.
É importante estabelecer o diagnóstico diferencial para outras dores faciais e estabelecer um plano de tratamento, muitas vezes em parceria com os colegas neurologistas.

Estresse/Ansiedade e DTM

Os aspectos da saúde mental, como ansiedade e depressão interferem diretamente na saúde física. Estudos apontam uma associação de alguns diagnósticos das DTM com aspectos psicossociais como ansiedade, depressão e somatização.

Essa relação ocorre por diversos mecanismos como a liberação insuficiente de neuromoduladores da dor como a serotonina e a noradrenalina, e a uma produção exacerbada de substâncias que facilitam a percepção da dor.

A piora da qualidade do sono e a falta de motivação para a atividade física também participam desse processo, facilitando aparecimento não só das DTM bem como de quadros dolorosos sistêmicos.

O psicólogo e terapeuta são grandes aliados no manejo do quadro emocional dos pacientes com dores orofaciais, sendo a terapia cognitivo comportamental a técnica mais utilizada.

Zumbido e a DTM:

O zumbido é a percepção do som sem estímulo sonoro externo. O zumbido é um som fantasma.

Inicialmente causas otológicas devem ser excluídas pelo médico otorrinolaringologista. Outras possíveis causas do zumbido como alterações de pressão arterial ou causas medicamentosas também devem ser descartadas.

Pacientes com DTM frequentemente apresentam queixa de zumbido, sensação de tamponamento (plenitude auricular) e otalgia (dor no ouvido). Esta relação se explica pelas associações anatômicas e funcionais da região temporomandibular com o sistema auditivo. ⠀

Uma investigação por meio de testes funcionais e palpação buscará entender se há relação do zumbido com a DTM em cada caso. As vezes o Zumbido não apresenta relação com a DTM ou o Bruxismo e eventualmente essa relação pode ocorrer. Uma vez identificada a associação clínica do Zumbido e da DTM, o tratamento odontológico voltado para a DTM pode minimizar o zumbido.

Infiltrações

As articulações precisam de nutrição e lubrificação, na articulação saudável quem desempenha esse papel é o líquido sinovial.

Quadros de DTM articular onde há dor, dificuldade de movimentação e alterações degenerativas a lubrificação e a nutrição do sistema articular pode ficar comprometida. O líquido sinovial pode ficar escasso ou perder qualidade, favorecendo um ambiente inflamatório. Nesses casos podemos lançar mão de algumas técnicas de infiltração articular. Anti-inflamatórios e Ácido Hialurônico são os mais empregados.

Associada a outras modalidades terapêuticas, as infiltrações articulares melhoram a qualidade do líquido sinovial e revertem o processo inflamatório resgatando a biomecânica mandibular.

Trata-se de um procedimento minimante invasivo, realizado sob anestesia local no próprio consultório odontológico.